Universo da Espiritualidade
xMudras para a saúdeMudras Para Atrair RiquezaMudras de ProteçãoMudras Conexão Divina
xManual de MudrasBotânica Medicinal e místicaProsperidade Através dos MantrA Natureza Contra a DepressãoLOJA
xPaz de EspíritoMeditação de Cura
xMantras de CuraMantras para a ProsperidadeMantras para Meditação
xTerapias HolísticasTerapias ChinesasEFTTécnica KarunaReiki
xCuraProteçãoPerdãoProsperidade
xSímbolos de ProteçãoSímbolos de CuraSímbolos de Prosperidade
xBotânica OcultaBotânica Medicinal
xCorpo mente e alma
xTerapias dos Chakras
Terapias>Terapias Holísticas>METAFÍSICA DOS PÉS: OS GRITOS DO CORPO SÃO AS MENSAGENS DAS EMOÇÕES

METAFÍSICA DOS PÉS: OS GRITOS DO CORPO SÃO AS MENSAGENS DAS EMOÇÕES

 

A Medicina Tradicional Chinesa enxerga o indivíduo como um todo, formado por cinco elementos, (fogo, madeira, metal, água e terra), que possuem um ciclo de degradação – onde um elemento destrói o outro – e um ciclo de criação – onde um elemento nutre o outro.

 

 

Quando falta a escuta atenta da intuição, resta ao corpo disparar o sinal amarelo – pequenos traumas e “doencinhas” – e depois o vermelho – grandes traumas, doenças graves e/ou crônicas.

 

 

 

 

OS PÉS

Os pés são o nosso ponto de apoio sobre o solo, a parte na qual todo o nosso corpo repousa e confia quando se trata de mudanças, de movimentos. É ele que nos permite “crescer”, e, por conseguinte, avançar. Mas pode também bloquear nosso suporte, e, por conseguinte manter firmemente as nossas posições. Logo, o pé representa o mundo das posições, a extremidade manifestada da nossa relação com o mundo exterior. Ele simboliza as nossas atitudes, as nossas posições declaradas e reconhecidas, o nosso papel oficial.

 

 

Ele representa os nossos critérios quanto à vida, até mesmo nossos ideais. Trata-se da chave simbólica dos nossos suportes “relacionais”, o que explica a importância do ritual de lavagem dos pés em todas as tradições. Tal coisa purificava nossa relação com o mundo, até mesmo com o divino. Enfim, é um símbolo de liberdade, pois possibilita o movimento.

 

 

OS DEDOS DOS PÉS

 

Representam as terminações “finas” desses pontos de apoio. Eles são os “detalhes”, o “acabamento” desses pontos e, assim, as terminações das nossas posições, os detalhes das nossas crenças ou as pontuações das nossas atitudes relacionais.

 

Cada dedo representa, por sua vez, um detalhe particular, um modo ou uma fase específica que decodificamos, graças ao meridiano energético que termina ou começa no dedo em questão.

 

 

Graças a cada um dos pés e aos pontos energéticos que se encontram nas extremidades deles, o indivíduo pode estimular ou eliminar, consciente ou inconsciente, porém eficazmente, as tensões eventuais que ali se encontrem.

 

Porém, na realidade, nunca é por acaso que queimamos, esmagamos ou torcemos tal ou qual dedo do pé. Trata-se de um processo “leve”, porém claro, de uma busca de expressão e/ ou eliminação de uma tensão relacional.

 

Esse processo pode existir porque o ponto energético que se encontra na extremidade de cada um dos dedos dos pés se chama “ponto fonte” ou “ponto da primavera”, é o ponto do renascimento potencial da energia, graças à qual uma nova dinâmica pode aparecer ou através da qual a antiga pode se “recarregar” e mudar de polaridade.

 

 

OS MALES DOS DEDOS DOS PÉS

 

Será apresentada aqui uma simples representação da significação global de cada um dos dedos dos pés e dos sofrimentos que vão ser expressos. Para compreender mais detalhadamente toda a dinâmica que está por trás disso, basta se referir, nesta obra, à parte que diz respeito ao meridiano energético exato que atinge o dedo em questão e ao qual ele imprime sua dinâmica geral. Se a tensão se manifestar num dedo do pé direito, estará relacionada à simbólica yin (materna); num dedo do pé esquerdo, à simbólica yang (paterno).

 

 

O DEDO GRANDE DO PÉ (O “POLEGAR” DO PÉ)

 

É o único dedo do pé em que começam dois meridianos energéticos: o do baço e pâncreas e o do fígado. É o dedo de base de nosso suporte relacional, do que nós somos. É isso que, durante a menopausa (perda da fecundidade, logo, do valor feminino) frequentemente testemunhamos o desenvolvimento de uma deformação desse dedo do pé que se chama hallus valgus. Os traumatismos ou as tensões nesses dedos significam que sentimos uma tensão equivalente na nossa relação com o mundo, seja no plano material (parte interna do pé) ou no plano afetivo (parte externa do pé).

 

 

 

O SEGUNDO DEDO DO PÉ (O “INDICADOR” DO PÉ)

 

É o dedo em que se encontra o meridiano do estômago, ou seja, aquele que gera a nossa relação com a matéria, a nossa digestão dessa matéria. As bolhas, os joanetes, males ou traumatismos nesse dedo vão nos falar da nossa dificuldade para gerar certas situações materiais ou profissionais.

 

 

O TERCEIRO DEDO DO PÉ (O DEDO “MÉDIO” DO PÉ)

 

Não há meridiano orgânico nesse dedo do pé, mas ele tem uma certa relação “indireta” com o triplo aquecedor. Logo, é o dedo do pé central, aquele do equilíbrio e da coerência das nossas atitudes relacionais. Os males desse dedo significam então, que temos dificuldade para equilibrar as nossas relações, especialmente no que diz respeito ao futuro. O medo de seguir adiante e de uma forma justa, pode ser expresso por esse dedo.

 

 

O QUARTO DEDO DO PÉ (O “ANULAR” DO PÉ)

 

É o dedo do pé em que se encontra o meridiano da vesícula biliar. Ele representa os detalhes das nossas relações com o mundo, no sentido do justo e do injusto, da busca pela perfeição. A presença de tensões, cãimbras ou sofrimentos nesse dedo, significa que vivemos uma situação relacional difícil quanto ao que é justo ou injusto. Trata-se de uma relação que não nos satisfaz no que diz respeito às condições e à qualidade dessas condições.

 

 

O DEDO PEQUENO DO PÉ (O DEDO “MINIMO” DO PÉ)

 

O dedo pequeno do pé é o dedo no qual termina o meridiano da bexiga. É o meridiano da eliminação dos líquidos orgânicos e das “memórias antigas”. Quando batemos com esse dedo, o que é extremamente doloroso, procuramos eliminar memórias antigas ou esquemas relacionais antigos. Provavelmente estamos tentando mudar hábitos antigos, modos de relação com o mundo e com o outro, que não nos satisfazem mais. Através do traumatismo e do sofrimento (corpo, ferida, entorse, etc.), estimulamos nossas energias para facilitar essa eliminação dos modos antigos a fim de substituí-los por outros.

 

Namastê!

Equipe Universo Espiritual

(Trechos do livro de Michel Odoul, DIGA-ME ONDE DÓI E EU TE DIREI PORQUÊ / causaemocional

 

 

Querido Irmão de jornada,  se você gostou deste artigo e deseja saber mais sobre técnicas e terapias de cura, clique no livro abaixo: