Universo da Espiritualidade
xMudras para a saúdeMudras Para Atrair RiquezaMudras de ProteçãoMudras Conexão Divina
xManual de MudrasBotânica Medicinal e místicaProsperidade Através dos MantrA Natureza Contra a DepressãoLOJA
xPaz de EspíritoMeditação de Cura
xMantras de CuraMantras para a ProsperidadeMantras para Meditação
xTerapias HolísticasTerapias ChinesasEFTTécnica KarunaReiki
xCuraProteçãoPerdãoProsperidade
xSímbolos de ProteçãoSímbolos de CuraSímbolos de Prosperidade
xBotânica OcultaBotânica Medicinal
xCorpo mente e alma
xTerapias dos Chakras
Chakras>Terapias dos Chakras>SETE CAMINHOS QUE TODO MUNDO TEM PARA SE ENCONTRAR FAZENDO O ESTUDO DOS CHACRAS

SETE CAMINHOS QUE TODO MUNDO TEM PARA SE ENCONTRAR FAZENDO O ESTUDO DOS CHACRAS

 

Está se sentindo perdido na vida? Parece até que todo mundo caminha, enquanto você continua à deriva num oceano de possibilidades? Veja sete caminhos que todo mundo tem para se encontrar, conhecendo melhor os centros de energia do corpo: OS SETE CHACRAS! Olhe mais para eles e boa sorte!

 

Crédito: https://pixabay.com/en/woman-girl-fashion-modern-1909629/

 

Por Giridhari Das - http://www.messenger.com/t/giridhari.pandavas

Colaborou: Harlley Alvez - http://www.messenger.com/t/harlleyalvez 

 

Sua vocação é importante, sem dúvida. Um peixe fora da água não pode ser feliz. Por isso é de suma importância sintonizar com a vida que você nasceu para viver, atuando no seu ambiente. Você está aqui por quê? Também é verdade que todos precisamos viver os outros dharmas que a nossa vida abriga, senão a vida fica completamente fora do eixo. Em minhas palestras sempre pergunto e é normal coisa de apenas 10% dizerem que encontraram a vocação. A vida hoje está direcionada de tal forma que as pessoas realmente não buscam sua verdadeira natureza. Muitos se perdem neste sentido. 

 

Uma dúvida frequente quando se fala em dharma ou propósito: as pessoas perguntam, “Como seguir em diante com a vida, enquanto não encontramos nosso dharma, nosso propósito?” Vamos ver aqui como lidar com essa questão de uma forma muito simples e prática

 

Desde nossas necessidades fisiológicas até nossa relação com Deus, muitos detalhes formam nossa natureza, e darmos a devida atenção a tudo que nos constitui é uma condição fundamental para podermos nos realizar plenamente.

Dharma é o princípio orientador da vida, a cada momento lhe demonstrando o que você deve fazer, respondendo suas dúvidas em relação a que curso seguir e simplificando as ações da vida. Dharma é sua integridade na ação e a verdadeira expressão do seu ser. Você encontrará seu lugar no mundo uma vez que você se afine com seu dharma.

Ser fiel a si mesmo significa agir de acordo com seu dharma. Quanto mais dhármico for o seu comportamento, mais você se sentirá satisfeito com quem você é agora e.... adeus ao sentimento de vazio e deslocamento com o mundo. Para recapitular a vida com alegria e com um sentimento de realização.

 

A confusão sobre propósito surge por querermos mastigar mais do que conseguimos. Achamos que é uma coisa só. Que temos só um propósito. E, meu Deus, como faço se não o encontro! Estou perdido na vida? Estou à deriva no oceano de possibilidades? 

Não é assim. A coisa não é tão dramática como pode parecer. O segredo está em entender e identificar seu dharma, seu propósito, em partes. Afinal, você não só trabalha. Você é um ser multifacetado, com diferentes focos, necessidades e identificações: Pai, mãe, filho, irmão, cidadão... não apenas chefe ou funcionário. Suas personas e seus chacras podem ser relacionados para indicar um novo caminho, e um com final feliz. À medida que você trabalha todos ao mesmo tempo, sem descuidar da importância de trabalhar e ser pai ou mãe, por exemplo, cria um espaço para a sua natureza verdadeira se revelar.



No livro “Caminho 3T” (www.3T.org.br), mostro que podemos separar nosso propósito, nosso dharma, em 7 categorias, que estão ligadas aos nossos 7 chakras:


1. Chakra raiz (muladhara): dharma vocacional.

2. Chakra do sacro (svadhisthana): dharma natural.

3. Chakra do plexo solar: (manipura): dharma ocupacional.

4. Chakra cardíaco (anahata): dharma pessoal.

5. Chakra da garganta (vishudha): dharma comunitário.

6. Chakra da terceira visão (ajna): dharma universal.

7. Chakra da coroa (sahasrara): dharma espiritual.

 

O primeiro, que é confundido com o propósito da vida, é mesmo o mais difícil de acertar. Se você sente que não encontrou sua vocação, não se sinta mal. 

Mas isso é só um de sete! Os outros seis são muito claros. Não fica dúvida alguma sobre como exercer eles. Então, o foco é seguir em diante com os outros seis, mesmo se está se sentindo inseguro ou perdido em relação ao primeiro!



Isso acontece porque quando a mente deseja resultados futuros, a ansiedade é algo inevitável. Então, a mudança de paradigma é necessária. Em vez de focar no futuro, na crença ilusória de que alguma combinação de realidade externa (estas coisas, com aquelas pessoas, naquela situação) será a chave para a sua felicidade, o foco está em simplesmente viver bem a vida, aqui e agora, centrado no seu dharma. Vida vs. Fantasia. A vida está acontecendo a todo momento. É um fluxo, uma constante corrente de eventos. O desafio é estar completamente presente conforme acontece. A felicidade surge de cumprir o seu dharma bem, aqui e agora, indo de um dharma a outro, ao longo do seu dia – sendo a melhor pessoa que você pode ser hoje, neste exato momento, sincero consigo. 


"A conexão com Deus, quando experimentada de forma madura, é a parte mais profunda do dharma."

 

Com o tempo, uma vez que você entenda que você só pode se definir perfeitamente quando entenda sua relação com Deus, então, como parte de sua essência mais íntima, como a definição central de si mesmo, você gozará alegremente dessa conexão, chamada devoção, como a parte mais profunda do seu dharma espiritual. Exercitar seu dharma espiritual é assumir seriamente a responsabilidade de aprimorar-se e de conhecer-se.



Antes de fazer qualquer coisa, certifique-se, primeiramente, que é seu dharma fazer isso. Algumas vezes, surgem em nossa mente ideias sem sentido que é melhor não executarmos. Outras vezes, alguém talvez queira pressioná-lo a fazer algo que é contra o seu dharma. Então, primeiro cheque e, então, seja firme o bastante para dizer não a você mesmo ou a outros caso a ação em questão não seja o seu dharma. Se é, entretanto, se fixe nisso, apesar de algum apego por fazer outra coisa, preguiça ou mesmo medo. Se é o seu dever, seu dharma, simplesmente faça, com sua mente inteiramente centrada nisso. 

 

"Tarde de Domingo no Parque na Ilha de Grande Jatte" - Georges Seurat Pintor francês (1859-1891)

 

Krishna explica na Bhagavad-gita que, entre outras coisas, um yogi tem que satisfazer três necessidades naturais: 1) dormir, 2) comer e 3) recrear. Chamo isso de nosso “dharma natural”, porque se tratam de necessidades naturais centrais do corpo e da mente. Krishna enfatiza que não se deve comer ou dormir em excesso nem comer ou dormir menos do que o necessário. Quanto é “em excesso”? Bem, o que seja em excesso para você. Somos todos diferentes. E, em diferentes momentos de sua vida, o que é demais ou insuficiente para você irá variar. Portanto, você tem que encontrar o seu equilíbrio. Viver o seu dharma é, precisamente, ter equilíbrio, sabendo quando mudar de um dharma para outro, em seu limitado dia de 24 horas. O dharma natural significa que você tem que levar a sério, como um dever, como parte de sua essência, os atos simples de comer, dormir e recrear.

 

Focar-se no seu dharma conduz ao desenvolvimento de simplicidade, que é uma qualidade maravilhosa. Quanto mais você foca naquilo que você tem que fazer, na expressão de si mesmo, você naturalmente se interessa menos em criar demandas desnecessárias em sua vida ou em comprar coisas que você não precisa. Quanto mais demandas você conseguir remover do seu cronograma, mais paz você experimentará em relação a ser capaz de focar em seus dharmas centrais. Casas menores significam menos manutenção e menos tempo gasto com limpeza. Menos roupas significam guarda-roupas menores. Andar de bicicleta ou usar o transporte público, em vez de dirigir, significa menos tempo cuidando do carro. Viver perto do trabalho significa menos tempo no trânsito. Qualquer coisa que você possa fazer para simplificar sua vida resultará em mais paz e, então, mais felicidade. Essa simplicidade é priorizar o seu verdadeiro eu. Viver seu dharma significa dar valor a tudo isso.



E na medida que vive seus outros dharmas, experimentará clareza e paz, crescente foco e sabedoria. Com isso conseguirá mais facilmente encontrar sua vocação, à medida que passa a limar aquilo que não é mais importante na sua vida.... e a sociedade te fez pensar que era.

Para entender à fundo o que são estes outros dharmas, não deixe de ler o livro “O Caminho 3T”.

No livro e em outros vídeos do canal verá dicas de como encontrar sua vocação, mas é necessário coragem e esforço para isso. Despeço-me com o vídeo dessa semana:

 

 

 

Seu amigo,

Giridhari Das